Comparando investimentos:

Tesouro Direto, CDB, FIIs e Ações

Comparar investimentos vai muito além de considerar apenas a rentabilidade, pois existem diferentes fatores que devem ser levados em conta quando o assunto é escolher onde aplicar o seu dinheiro.

As opções de investimentos são variadas. Seja na Renda Fixa ou Renda Variável, é importante entender o seu perfil de investidor para que as suas aplicações sejam realizadas da maneira correta. Qual é o seu nível de tolerância à riscos? A tolerância é fundamental para determinar seu perfil de investidor e indicar os investimentos mais adequados. Se a sua capacidade de assumir riscos for baixa, você pode fazer suas aplicações no Tesouro Direto ou em CDB, por exemplo. Mas se você é capaz de assumir maiores riscos, investir em FIIs e/ou Ações pode ser uma boa alternativa.

Quer saber mais sobre o Tesouro Direto, CDB, FIIs e Ações? Boa leitura!

 

A importância de comparar os investimentos

No momento de comparar alguns investimentos pode ser importante considerar determinados pontos. Mas o que devo considerar antes de escolher onde colocar minhas aplicações?

  1. Encontre o melhor investimento para o seu objetivo. Ter uma meta definida é essencial.
  2. Faça uma análise da rentabilidade.
  3. Defina qual é o risco que está disposto a correr.
  4. Fique ligado nas taxas para economizar.
  5. Entenda as características de cada investimento.

 

Tesouro Direto – O que é?

O Tesouro Direto é um programa criado pelo Tesouro Nacional que possibilita o investimento em Títulos Públicos. Funciona da seguinte forma: você empresta dinheiro para o governo em troca de ter uma rentabilidade. O Tesouro Direto, sendo um título de renda fixa, pode fazer parte da carteira de diferentes perfis de investidor, mas, se você está iniciando no mundo dos investimentos, ele pode ser o ideal. Esse tipo de investimento possui baixo risco e é possível começar com pouco, já que o investimento mínimo é de R$ 30,00 e o resgate pode ser feito em qualquer momento.

 

3 Tipos de títulos do Tesouro Direto

Tesouro Selic

É um título pós-fixado que tem seu rendimento atrelado a Taxa Selic, a taxa básica de juros. Ele oferece rendimentos um pouco maiores que a caderneta de poupança, pois acompanha 100% da taxa Selic. Além disso, apesar de ter um prazo de vencimento, possui alta liquidez, o que permite o resgate do valor sem a perca da rentabilidade. Dessa forma, o Tesouro Selic pode ser uma alternativa para quem está criando sua reserva de emergência, por exemplo.

Tesouro IPCA

O Tesouro IPCA trata-se de um título de renda fixa híbrido de prefixado com pós-fixado. Sua rentabilidade varia com o IPCA (Índice de Preços para o Consumidor Amplo), o índice que mede a inflação. Ele também vem acompanhado de um rendimento fixo. Isso quer dizer que ao realizar aplicações no Tesouro IPCA, você terá um rendimento prefixado e o rendimento de acordo com a inflação do período.

A data de vencimento dos títulos é diferente. Existem diversos prazos e é possível optar pelo prazo que mais se adequa ao seu objetivo. Por acompanhar a inflação, esses títulos costumam ser ideais para objetivos a longo prazo, pois o dinheiro não irá perder o valor, mesmo que haja acúmulo da inflação.

Tesouro Prefixado

O Tesouro prefixado tem uma taxa de juros fixada previamente. Dessa forma, é possível calcular exatamente o quanto será recebido no vencimento. O pagamento desse tipo de título pode ser semestral, ou seja, não é preciso esperar até o vencimento para receber os rendimentos. Se você busca uma renda passiva a cada seis meses, o Tesouro prefixado pode ser ideal.

CDB – Certificado de Depósito Bancário – O que é?

O CDB é o Certificado de Depósito Bancário, um investimento de renda fixa que é emitido pelos bancos. Ele funciona como um empréstimo para a instituição bancária em troca de rentabilidade. A taxa de rentabilidade do CDB pode ser prefixada, pós-fixada ou híbrida. A lógica é a mesma que para os títulos públicos.

Ao escolher entre o Tesouro Direto ou CDB, é necessário avaliar algumas questões como: perfil de investidor, aporte inicial de cada investimento, flexibilidade, liquidez, rentabilidade e os custos. O Tesouro é mais acessível para todos os públicos e existe uma facilidade para a venda antecipada: no caso do CDB pode haver carência, no entanto, a rentabilidade costuma ser mais atrativa.

FIIs – Fundos de Investimento Imobiliário – O que é?

Os Fundos de Investimento Imobiliário (FII) são fundos destinados à aplicação em empreendimentos imobiliários, como shoppings, hospitais, e prédios comerciais ou atrativos relacionados, como CRIs. Para adquirir parte desse investimento, basta comprar cotas deste fundo. Essas cotas podem ser negociadas em bolsas de valores ou mercado de balcão.

Os FII’s rendem por meio das cotas negociadas em bolsa, da valorização dos empreendimentos adquiridos e dos rendimentos obtidos sobre os aluguéis.

Esse investimento é considerado de alto risco, mas vale destacar alguns pontos: os rendimentos distribuídos para os cotistas, como o aluguel, são isentos de Imposto de Renda. Além disso, o investimento inicial é baixo.

Ações – O que é?

As ações são títulos que se referem a partes do capital de uma empresa. Comprando uma ação, você se torna sócio da empresa e começa a ter a participação dos lucros. Mas como funciona o mercado de ações? Os valores de compra e venda são determinados pelo mercado. É possível ter uma renda passiva ao investir em ações que paguem percentuais interessantes dos proventos.

As ações se dividem entre dois tipos:
– Ordinárias: dão direito de voto e de participação nas assembleias do negócio.
– Preferenciais: dão esse direito, porém, oferecem prioridade na distribuição de lucro e no pagamento em caso de liquidação da empresa.

Os Fundos Imobiliários, citados anteriormente, são ideais para quem deseja investir em imóveis com menor burocracia e custo. Por outro lado, as ações são indicadas para pessoas que querem investir em outros setores e alcançar maiores rendimentos, principalmente a longo prazo.

Uma das diferenças mais significativas entre FII’s e Ações está na exposição ao risco. Os fundos imobiliários são opções mais estáveis na renda variável, enquanto as ações têm maior volatilidade no curto prazo. Com isso, analisar os riscos é essencial.

Conclusão

Até aqui fizemos um comparativo entre diferentes investimentos, mas de qualquer forma é bom lembrar que a diversificação é uma boa técnica para obter resultados positivos. Por que não considerar mais de um tipo de investimento para realizar suas aplicações? Ambos podem ser interessantes para compor a sua carteira. Não deixe de analisar todas as opções levando em conta suas necessidades, objetivos, e perfil de investidor para realizar escolhas conscientes.

5 Comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *